terça-feira, 5 de abril de 2011

A primeira vez de um corno




Sou casado com a Bel, uma mulher comum, esposa, mãe de um casal de filhos, trabalhadora, mas que com sua pele branca, seios médios, mas ainda firmes, baixinha e de bumbum gostoso, forma com seus olhos azuis um conjunto harmoniosos. Levei anos para convencer a levar rola de outros machos, mas que quando consegui, ele parecia uma cadelinha do cio, houve semana que metia 5, 6 vezes por semana e sempre com machos diferentes, como moramos um uma cidade do interior de São Paulo, optamos por homens casados, que primam pela discrição. O que relato agora ocorreu em novembro de 2010, mas como foi a primeira vez que a vi metendo, quero compartilhar com vocês. Como já escrevi, já há muito tempo eu falava para ela sobre a vontade de vê-la com outros caras, no tesão que eu tinha quando a imaginava fazendo sexo, comigo apenas de expectador, ela no começo dizia que eu não a amava e que era "doidinho", mas eu percebia que quando abordava estes assuntos, o sexo era mais gostoso entre nós, até que numa noite de quinta-feira, temos um tradicional baile em uma associação de nossa cidade, eu como iria trabalhar na manhã seguinte não queria ir, mas ela com um sorriso safado e demolidor me convenceu dizendo que quem sabe ela não tomaria coragem e arrumaria um paquera, estas palavras me deixaram de pau duro e saímos de casa, nossos filhos de 9 e 6 anos ficaram com uma amiga. Mal chegamos e avistei ex colega de trabalho, que ao me reconhecer se mostrou satisfeito, pois estava morando em outra cidade (São José dos Campos - SP) e não havia visto ninguém conhecido, feito as apresentações, entramos no baile e após tomar algumas cervejas, eu que não sei dançar absolutamente nada, os deixei dançar, meu pau latejava sob a calça, numa ausência de meu colega, que foi ao banheiro, a questionei sobre meu amigo, ela disse que ela era legal, mas quando ao sexo, não tinha certeza, eu pedi que ela considerasse a situação, praticamente implorei e ela disse que pensaria no assunto,depois de algum tempo e cervejas, ela me relatou que faria, mas que eu seria o único responsável se tivéssemos conseqüências no casamento, pois não queria crises de ciúmes, quando o efeito da bebida passasse, eu mais que depressa disse que não teria este problema e que o casamento iria melhorar muito, pois daquela data em diante, ela poderia e deveria meter com que quisesse. Meu amigo, que a esta altura também estava de pileque e bem assanhadinho, dançava cada vez mais colado a Isabel e quanto ela foi ao banheiro, fui claro com ele, disse o que queríamos, ele rindo, disse que só havia visto situação parecida em revistas e filmes, mas rapidamente topou. Fomos a um hotel no centro da cidade, pegamos 2 quartos, não queria que fossemos questionados, ao chegarmos no quarto, ela foi tomar um banho e saiu do banheiro com a toalha enrolado ao corpo, após a saída dela, ele foi tomar seu banho, eu fiquei por último e já de caso pensado demorei, mas ao sair tive uma visão maravilhosa, meu amigo deitado de costas, ela sentado sobre ela, estava apenas de calcinha e tinha os seios branquinhos sugados por ele, ora um, ora outro, a claridade da TV me dava visão completa da cena, depois ela tirou o restante da roupa e mamou no cacete duro e grosso do meu amigo, agora amante da minha querida esposa, ela não resistiu e logo a virou, ficando os dois num 69 gostoso, os gemidos baixinhos dela, aumentaram de intensidade, a penetração foi na tradicional posição papai-mamãe, mas depois ele a colocou de quatro e bombou com força minha amada, que aparentemente havia se esquecido de mim, gemia alto e rebolava na rola, feito uma verdadeira puta, ele ainda a comeu em pé,  ela apoiada na parede e ele por trás, meteu também com ela deitada de bruços, esta e sua posição preferida e se requebra de uma forma que temos a sensação que nosso pau e sugado para dentro, ela ainda o cavalgou, tudo a menos de um metro de mim, que assistia a tudo, com uma mistura gostosa de tesão e ciúmes, mas o mais gostoso foi o final, ela que desde o começo de nosso namoro adora beber porra, pediu que nosso amigo a avisasse quando fosse ejacular, ele atendeu seu pedido e ela recebeu os jatos de esperma em sua linda boquinha, não deixando cair nenhuma gota.

Este é um breve relato, que pode parecer sem graça, mas marcou o início de uma nova fase de nossas vidas, hoje adoro ficar em casa enquanto ela sai com seus amigos, gosto mais ainda quando ela volta e me conta tudo, também sinto muita excitação em vê-la levando rola.

Nenhum comentário:

Postar um comentário